Artigos

Os impactos da pandemia na Comunicação Catarinense

Por Jailson José de Sá, publicitário e CEO do portal AcontecendoAqui

Por Jailson José de Sá, publicitário e CEO do portal AcontecendoAqui

Por mais que a indústria da propaganda tenha como missão olhar à frente para ajudar marcas a se anteciparem às tendências, ninguém do setor estava preparado para as consequências de uma pandemia como a que estamos vivendo. Todo mundo está correndo atrás em busca do modelo de negócio para sua sobrevivência. Mercados regionais sofreram mais.

Santa Catarina é a sexta maior economia do Brasil. PIB em 2019 na faixa dos R$ 300 bilhões. A veiculação publicitária anual é na faixa dos R$ 1,4 bi. No Estado há em torno de 100 agências de propaganda sindicalizadas distribuídas em 5 regiões com economias sedimentadas.

Neste momento, as licitações de maior relevâncias estão paradas e isso afeta boa parte das agências. Na Capital e na Região Sul a queda de faturamento supera os 50% na maioria das agências. Nas demais regiões agências registram cancelamentos e paralisações sucessivas de parte de seus clientes e estão buscando negócios junto aos clientes locais de todos os tamanhos.

Fornecedores e veículos também acusam quedas na faixa dos 50% e só enxergam possível melhora a partir de agosto. Como a maioria dos anunciantes está se voltando para a web, a competição vem aumentando e jogando os preços para baixo.

Verifica-se crescimento nas demissões e várias agências estão assumindo que o modelo home office deverá permanecer para sempre. Há consenso entre os empresários que daqui para frente será necessária uma revisão nas estruturas, nos salários e nos valores cobrados dos anunciantes.

Jailson José de Sá, publicitário, trabalhou na Ogilvy por 7 anos em Porto Alegre e São Paulo. Dois anos na Ziegelmeyer Pimentel Propaganda, depois ingressou no Banco Real, na Gerência de Propaganda. No Real trabalhou por 22 anos onde foi Diretor Executivo da “House-Agency” do Grupo. Em 2003 fundou o portal AcontecendoAqui em Santa Catarina. O portal é detentor de dois Prêmios Colunistas: 2006 como Porta Voz da Propaganda Catarinense e em 2015 como Veículo Eletrônico do Ano. É membro do Conselho de Ética do Sindicato das Agências de Propaganda do Estado de santa Catarina.